A visita

E de repente, um vozerio. Há centenas de pessoas. E todas falam.

Não houve estouro que desse a largada, mas todos correram freneticamente em uma única direção, como se não houvesse saída e a única salvação fosse aquela para a qual todos iam sem olhar para trás.

Foi então que houve um estalo.

E todos pararam. Mal se ouvia a respiração.

O silêncio chegou, apontou na direção contrária à da multidão que, pasma, olhou para onde o silêncio apontava.

Ele continuava apontando, sem olhar ninguém.

Após um breve momento, a multidão entendeu. Todos voltaram calmamente para o seu ponto inicial. O silêncio permanecia impassível.

Quando todos chegaram ao ponto em que estavam antes da correria, o silêncio parou de apontar. A calma chegou e sorriu bondosamente.

Assim,  um a um, os pensamentos iam beijar a mão da fada que, vez por outra passava por lá. Dessa vez, ela estava distribuindo tempo e folhas de caderno nas quais essas centenas de vozes poderiam morar.

Anúncios

Um comentário em “A visita

  1. que texto divertido dá vontade de ler mais =) qundo eu precisar descrever algo eu te ligo =)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s